11 de nov de 2013

A carta anônima...

Olá, meus blogosféricos do coração!

Ó eu aqui com mais uma postagem... eu tardo, mas não falho! rsrs Quer dizer, quase...

Seguinte, hoje vou publicar aqui uma carta que escrevi para uma querida companheira de trabalho. Vou explicar o motivo da carta.

Eu faço um curso de Formação Continuada na área de Alfabetização e há algum tempo minha formadora sugeriu uma dinâmica de escrita que foi muito legal. Nós teríamos que escrever uma carta para uma de nossas colegas. Houve um "sorteio" bem interessante, para sabermos quem seria o destinatário de nossa carta: Cada pessoa colocou um papelzinho dentro de um balão, ao final jogou-o para trás e dentre tantos que estavam no chão a gente deveria escolher um, essa pessoa seria a dona da nossa carta. Bem, tivemos que enviar pelo correio e tudo. Em época de emails, tivemos que voltar ao tempo em que as cartas eram comuns. Foi muito divertido!!
A carta que foi escrita no dia 9 de setembro, foi enviada apenas com meu "nickname" Sorcière no remetente. Como a pessoa não conhecia esse meu "apelido", só iria descobrir quem eu era, ao ler a carta. Modéstia à parte, eu achei que o texto que escrevi para a Rosselini ficou muito legal. Então segue abaixo. Ah, deixo claro aqui que a dona da carta me autorizou divulgá-la em meu blog, ok? 
Imagem daqui

       Goiânia, 11/9/2013
Olá, Rosselini!
Tudo bem? São 22h40m do dia 11 e estou preocupada! Quero dizer, minha preocupação se dá por conta da data. Espero que essa carta chegue à tempo! Caramba! Realmente espero! Não que eu tenha esquecido de você, mas havia feito uma estimativa levando em consideração nossa antiga data de formação, que seria dia 27. Fui totalmente pega de calças curtas, quando recebi a nova data. Agora é só cruzar os dedos e esperar que chegue!
Bem, vamos ao que interessa! Confesso que estou com muitas coisas pra escrever, mas ao mesmo tempo sem saber como organizar as ideias. Sou conhecida por ser sempre ligada no 220W. Sempre em constante movimento!
Pensei em começar falando sobre você. Então, acho que vou escrever onde tudo começou… seu nome. Quando ouvi pela primeira vez, achei peculiar. Estava acostumada com Roseline, penso que seja por conta de uma professora que tive, que também tinha esse nome, com apenas uma letra “S” e “E” no final. Mas o seu não! O seu tem dois “ésses”(ss) e a letra “I" que deu todo um charme! Acho chique! Nome forte! Rosselini que eu conheço é sobrenome, inclusive de um cineasta italiano, já falecido, Roberto Rossellini (também com um “I” no final, mas, diferentemente do seu, possui dois “éles”). Roberto tem uma filha, Isabella Rossellini que foi casada com Martin Scorsese… Ainda não falei, mas sou cinéfila. Sabe, também sou uma curiosa confessa! Fiz questão de procurar seu nome no google, pra ver o que ele me daria. Na verdade eu fui em busca do significado. Menina do céu! Vc precisa ver! Tem mais Rosselinis do que eu imaginava. Nessa pesquisa descobri que uma Rosseline(com “E”) vai se casar com um Gil daqui 58 dias (contando com hoje, 11/09)… Contudo, declaro aqui que ainda não consegui descobrir o significado de seu nome. Será que é o mesmo de Roseline? (que significa “VARIANTE LATINA DE ROSA). Se você tiver essa resposta, me diga em nosso próximo encontro. Ainda estou curiosa pra saber!
Acho que agora já é hora de falar um “cadinho” sobre mim! Você deve estar se perguntando porque no envelope consta apenas o “nome” Sorcière e se questionando mais ainda “quem diabos é essa pessoa”, não é mesmo? Ok, Sorcière é apenas meu nickname, mas é significativo para mim. Escolhi com carinho há muitos anos! Já percebeu que é francês, né? Então, é preciso fazer biquinho ao pronunciar (Sorcière). Acho que a escolha desse apelido teve como influência, além do significado, minha paixão por Paris. Neste momento pode estar pensando: “Você não é a única que tem interesse por Paris, beibe! Entra na fila!” Mas tenho certeza de que sou uma das poucas pessoas que tem uma história pra contar, relacionada a essa paixão. Só digo que ela existe desde os meus 10 anos de idade. No entanto, isso já é história para uma oooooooouuutra carta! Quem sabe, outro dia…
Ah, meu nome real?! Poxa, acho que a brincadeira ficará mais gostosa se eu lhe apresentar algumas pistas e deixar a magia acontecer:
Sou mulher (não sou Amélia, não mesmo, mas sou mulher de verdade. A música Pagu, da Rita Lee, me define muito bem!)... sou mãe, esposa, professora, blogueira, cinéfila, apaixonada por livros e música. Não obrigatoriamente nessa ordem… não necessariamente "só" tudo isso! Sou mais 80 do que 8 e, por vezes, 888.
Gosto muito de viajar. Tenho planos de conhecer vários lugares do Brasil e do Mundo. A verdade é que vontade eu tenho de sobra, só me falta a grana! Sacomé, né? Sou professora, benhê. Mas, de pouquinho em pouquinho eu chegarei lá! Adoro filmes, livros, música, filmes, livros, chocolate, filmes, livros, pão de queijo... e... livros e filmes. Quem me conhece, sabe o quanto gosto demais da maravilhosa internet. Ah, também amo tatuagens! Dentre outras coisas mais, claro!
Alguns me definem como roqueira e apesar de concordar, pois esse estilo corre por minhas veias, deixo bem claro que também gosto de outros estilos musicais, dentre eles: MPB. Marisa Monte é minha “irmã” da música(aquela diva). Elis Regina é minha “mãe” musical e Chico Buarque, meu “pai”...)...  E aí, descobriu quem sou eu?
Deixo registrado que tirar seu nome me deixou imensamente feliz! Até logo!!!!
Beijocas :****
“___________” Sorcière
Finalizo com o vídeo ECT, Cassia Eller.

Então é isso!
Beijinhos!!
Câmbio, desligo..

17 de out de 2013

Ocupação Câmara Municipal de Goiânia


Alguns devem ter acompanhado na mídia notícias referente a OCUPAÇÃO NA CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA por parte dos profissionais da educação do município. Estamos em greve por melhores condições de trabalho e a ocupação se deu num dos momentos de reivindicação. Antes de qualquer coisa, vou esclarecer... entramos numa greve que foi deflagrada pela categoria, estamos sem apoio sindical algum, pois o sindicato que diz nos representar simplesmente nos abandonou e blindou o governo atual. Por que será????

Já deve ser de conhecimento de quem acompanha meu facebook que alguns vereadores do Município de Goiânia, chefiado pelo PILANTRA(com o perdão da palavra) que é presidente da câmara fizeram uma manobra ridícula e vergonhosa. Nem preciso dizer para não acreditarem em tudo o que a mídia diz, pois algumas redes de televisão distorcem totalmente o que de fato está acontecendo.

Sobre o que aconteceu durante a votação, gostaria de esclarecer algumas coisas. Pois algumas informações tortas estão circulando por aí. A verdade é que estávamos ganhando. 16 a favor e 15 contra e o tempo finalizando. O presidente da câmara que me recuso a chamar pelo nome, esperou até o ultimo segundo pq sabia que dois vereadores(que nem estavam na plenária) chegariam. Mas como os infelizes não chegaram, muitos da base aliada ficaram ligando para os mesmos e enquanto isso ele prorrogou o tempo da votação assim que viu que estávamos perto da vitória(uma vitória que seria não somente para os professores, mas tbem administrativos e auxiliares educativos!). Foi declarado que ele sempre encerra as votações qdo os presentes acabam de votar. Porém, o presidente esperou os acréscimos e qdo esses dois vereadores chegaram um votou a favor e outro contra. Atingindo 17 a favor e 16 contras. Porém um desses, já tarde demais e com o tempo esgotado pela segunda vez,  mudou o voto(alegando que havia se equivocado) na mesma hora, invertendo o placar e jogando uma parte da nossa luta pelo ralo. O presidente da câmara abusou de sua posição, prorrogou o tempo com dois minutos a mais e beneficiou o prefeito. Estávamos no limite... o difícil acesso era apenas UMA DAS reivindicações, dentre tantas outras, mas foi o que fez o saco transbordar. Estávamos cansados. As galerias estavam lotadas. O que aconteceu??? Bem, muitos colegas começaram a pular da galeria superior para a plenária, eu queria pular também. Meu marido que apesar de não ser da educação estava me acompanhando durante a votação e mais que rapidamente saltou... quando chegou ao chão foi abordado por um policial que "tentava segurá-lo"... ahhhhhh, nessa hora não pensei duas vezes. Entreguei minhas coisas para a amiga e companheira de luta e pulei tbem(nem me dei conta de que eu estava há mais ou menos 3 metros de altura do chão). OCUPAMOS A CÂMARA...e ficaremos o tempo que for necessário... Nossa luta é legítima!! 

O pedido de reintegração de posse já foi cedido. Estamos sim, vivendo momento de muita tensão. Mas, permanecemos na luta.

Amanhã cedo estaremos indo para o décimo dia de ocupação. Fiquei na Câmara, dia e noite, desde o momento da ocupação que aconteceu no dia 8/10 até hoje por volta de 13h. Precisei vir pra casa por uma questão de saúde, do contrário eu não conseguiria permanecer firme. É muita tensão! Mas, amanhã, retornarei para permanecer na luta com todos os companheiros que estão lá! 
 
Enfim, Ricardo tem sido meu porto seguro. Passou as primeiras 28 horas ao meu lado, acampado na Câmara! Tem ido para a ocupação todos os dias dar apoio ao movimento de greve. Qdo não está comigo em pessoa, pois temos um filho que também precisa de atenção, está em coração. Aliás, meu filho também tem sido um fofo, pois compreende que é um momento difícil e que minha ausência em casa tem sido inevitável e necessária nesse momento. Sem contar que a tecnologia tem sido nossa aliada!  
São tempos de luta... e enquanto alguns acham que lugar de mulher é em casa, com o marido. Eu corrijo e digo que num momento como este, lugar de marido(ou namorado) é ao lado da mulher, na luta!! Isso é companheirismo!!!! E quando tudo isso terminar... e aos profissionais da educação que insistem em aderir a tal greve de pijama, eu digo que independente do resultado, eu digo categoricamente que ao final dessa greve há algo que ninguém vai tirar de mim: minha DIGNIDADE!!

   

IMPORTANTE:

Prefeito e Goiânia em ENTREVISTA COLETIVA mentiu novamente e DESCARADAMENTE!!! Disse que todos os pontos de pauta estavam sendo contemplados no documento que nos enviou(papel que na verdade serve nem mesmo para limpar a bun**). Depois que recebemos a "proposta" sem vergonha dele, reescrevemos outro documento, pois o papelzinho que ele nos enviou estava cheio de palavras evasivas, no entanto para MENTIR mais ainda, ele disse que detalhes de semântica não fariam diferença alguma no teor das coisas (como disse um colega no grupo do comando de greve, ele só pode ser analfabeto!)... Enfim, como o companheiro Renato(do comando de luta) falou num programa de televisão local(que por sinal seria um debate, mas a Ieda [Des]leal do SINT[r]EGO não compareceu), já que o problema é apenas de "semântica", assine o documento e envie. Mas assine mesmo, senhor prefeito... não venha com essa de mandar Neyde Aparecida, ficha suja, que não tem poder algum de decisão(como ela mesmo já disse em outros momentos) para assinar por você! Assine e assuma!!!! Enfim, como foi decidido hoje em assembleia A GREVE CONTINUA!

 
Ps. Eu havia desativado o blog por tempo indeterminado... mas, acho que é um bom momento de reativá-lo!

24 de jul de 2013

Parangolés, desabafos e afins... coisas aleatórias dos últimos dias!


Eu sempre disse que prefiro o frio ao calor... mas, depois de passarmos (marido Ricardo, filho Gustavo, sogra Darcimária e  sobrinha Gabrielle) um frio do 'caramba' em Sampa, corrijo minha fala com a seguinte colocação: Eu ainda prefiro o frio, CONTUDO, que seja qdo posso aproveitá-lo em minha casa quentinha, sabendo os meus queridos tbem estão aquecidos, embaixo de um bom cobertor, e abraçada ao meu cobertor de orelha... no mais, durante toda a noite em que eu estive dentro do Aeroporto de São Paulo - Congonhas (CGH), enquanto eu sofria com o frio, mas ainda assim com um pouco de agasalho(pouco mesmo, levando em consideração que não estávamos preparados para tal, mas o suficiente para não termos um 'pirepaque') e tentando aquecer meu filho e minha sobrinha, com o máximo de calor humano que eu conseguia liberar(estava escasso... rs), fiquei pensando nas pessoas que estavam ao relento, sofrendo com aquele frrrrrrrrrrio(e em outros lugares do Brasil, pelo que fiquei sabendo, a 'bagaça' estava ainda mais intensa). Com isso, concluo que é fácil gostar do frio quando se tem condições de suportá-lo.

Porém, apesar do parangolé que citei acima, a viagem(de um modo geral) foi maravilhosa! Cheguei hoje e só posso dizer que apesar de ser uma pessoa totalmente avessa ao sol(sempre retorno tão branca quanto fui), estar à beira da praia por alguns dias é muito bom. Eu sinto que a energia que paira sobre aquele 'universo praieiro' conseguiu me deixar preparada para mais alguns meses de trabalho, antes que as próximas férias cheguem novamente. 

Viajar é ótimo! Mas, como disse Dorithy: Não existe lugar como o nosso lar!!!! Tanto tempo longe de casa, cansa tbem. Enfim, em casa... agora é só curtir minha última semaninha de descanso. Feriar é bom, mas o final é inevitável, então o lance é se preparar para o batidão do segundo semestre! 

Viajar é ótimo! Mas, como disse Dorothy: não existe lugar como o nosso lar!!! 

29 de jun de 2013

Culinária - Mousse de surtolate


Ingredientes
3 copos de "muito trabalho"
1 tablet de "final de semestre"
3 colheres de sopa de "nenhum descanso"
500 ml de "correria total"
2 quilos de "tô no limite"
"Quero férias"
Modo de fazer:
Em uma batedeira coloque "muito trabalho" (certifique-se de que os copos estejam bem cheios) juntamente com o tablet do creme "final de semestre" e bata por exatos 3 minutos. Acrescente "correria total" e os dois quilos de "tô no limite". Bata por mais dois minutos. Finalmente jogue as colheres de "nenhum descanso"(responsáveis pelo crescimento da massa). Continue batendo até que se forme uma massa bem cremosa. Despeje a massa em uma travessa de vidro, decore com todo o "quero férias" e deixe na geladeira por pelo menos 4 horas. 
Para acompanhamento, você pode servir o vinho chileno "Ninguna Disposición".

Ps 1. Se você é professor(a), pode dobrar a receita. Inclusive a quantidade de vinho a ser servida!

Ps 2. Parece que eu finalmente voltei ao universo blogosférico! O.o

29 de mar de 2013

Dois anos... dois dias...


Dois anos era a idade que eu tinha quando perdi minha avó paterna e, hoje, 28 de março de 2013, fazem apenas dois dias que perdi minha avozinha materna. 

Um número apenas e tanto significado contido nele. 

Quando eu tinha dois anos, não possuía maturidade para entender o quanto a perda de minha avó era dolorosa, mas fui crescendo e ouvindo coisas boas à respeito dela. Uma pessoa de coração bom e que deixou saudade imensa. 

Agora, dois dias depois de perder minha outra avó, pude sentir de forma mais forte o gosto da dor e da perda. Principalmente, pude sentir o gosto do sofrimento de minha mãe...

Mãe, uma palavra com pouco mais de duas letras... apenas três. Tanto significado!

Tudo isso me fez pensar no quanto é interessante a forma como a morte chega e nos deixa com aquele sentimento angustiante rondando... assombrando! A morte é uma danada que por mais que tenha certeza de sua chegada, jamais estarei preparada para encará-la. Vendo o sofrimento de minha mãe, foi inevitável bater aquele receio de perder essa parte tão importante que há de mim, minha mãe. A verdade é que mãe deveria viver pra sempre... Mas, o jeito é espantar esse assombro pra lá e tentar não ficar pensando nisso.

------------------------------- // ------------------------------

Esse texto faz parte de uma Blogagem Coletiva comemorativa do blog Escritos Lisérgicos, do querido blogosférico Christian V. Louis. O tema sugerido foi "Dois anos" onde poderíamos escrever qualquer coisa a respeito de dois anos.

Cris, me desculpe por um texto tão melancólico. Eu queria ter escrito algo mais alegre, afinal, seu blog está fazendo aniversário, contudo foi o que meu coração liberou por meio dos dedos psicopatas. Sacomé, né? Tem dia que... enfim...


Ps. Esse texto foi escrito ontem(28/03), mas infelizmente meu blog deu "bug" e não consegui publicá-lo. Não mudei a data que está no início dele pois perderia o sentido... então é isso!

Beijinhos...
Câmbio, desligo!

ATENÇÃO: Eu adoooro demais estar no universo blogosférico. Muito mesmo! Contudo, precisei me ausentar. Esta ausência começou de forma bastante tranquila e por "tranquilo", me refiro ao fato de ter parado de acessar sem forçar a barra, sem sofrimento e, principalmente, antes que o botão "PERIGO" precisasse ser acionado. Apenas deixei de lado, por conta de outras questões que no momento se mostraram mais importantes.
Tenho muitos amigos blogosféricos no facebook e twitter(apesar de estar pouquíssimo neste último)... então nos vemos por lá!

10 de mar de 2013

Lute, dance, erga-se!

Olá, queridas e queridos do meu universo blogosférico!
Antes de vocês lerem o texto a seguir, gostaria de pedir que assistam o vídeo abaixo. É curtinho e emocionante!!!
Na madrugada passada eu assisti o filme mexicano "Violet Perfume", que retrata uma história real de duas adolescentes, onde uma delas sofre abuso sexual.
Imagem daqui
Não, não é uma mega produção, mas, ainda assim, achei um bom filme e indico, pois fala de um assunto ainda muito necessário de ser discutido e principalmente, um tipo de crime que precisa ser combatido com todas as forças. 
Imagem daqui
Eu nem ia comentar sobre a película aqui, mas hoje parece que tudo o que li acabou tendo relação com o assunto "violência contra a mulher". Entrei na página da folha de São Paulo para ver as notícias do dia e li que um pai "caçou" o agressor de sua filha durante os últimos 8 anos, e mesmo sabendo que o canalha havia fugido para Portugal, continuou lutando por justiça e nesta semana, finalmente, conseguiu com que o criminoso fosse extraditado para o Brasil. O mais triste é ler ele dizendo que sua filha sofre até hoje, por conta da violência que cometeram contra ela(claro que sofre!!!). 
Imagem daqui
 
Diante disso e tantas outras notícias em relação ao tema em questão, sinto que devemos tentar fazer algo para mudar essa situação. Neste mês de março, participarei do evento Um bilhão que se ergue em Goiânia, que acontecerá dia 30/03. Vamos dar um passo adiante, na luta contra toda essa violência.
  
Para quem não sabe:
"O “Um bilhão que se ergue” (One billion rising) ou V-Day, é um movimento ativista global, realizado anualmente no dia 14 de fevereiro, para acabar com a violência contra mulheres e meninas, inspirado pela autora, dramaturga e ativista Eve Ensler, que relata ter sido fisicamente e sexualmente abusada por seu pai quando era uma criança
Teve sua primeira edição em São Paulo, sábado, dia 16/02/2013 no Museu de Arte de São Paulo (MASP). A data oficial foi mudada devido a atividades realizadas durante a semana (trabalho, escola, etc) que impossibilitam alguns cidadãos de comparecer ao evento.
O movimento teve inicio em 1998 quando uma instituição de caridade sem fins lucrativos, "V-Day", foi constituída com o objetivo de usar apresentações da peça “Os monólogos da vagina” para arrecadar dinheiro para beneficiar mulheres vítimas de violência e abuso sexual.
Uma pesquisa aponta que, no mundo há 07 bilhões de pessoas, sendo que metade são mulheres.
Uma em cada três mulheres no planeta vai ser estuprada ou espancada em sua vida, ou seja, um bilhão de mulheres.
Um bilhão de mulheres violadas é uma atrocidade.
Um bilhão de mulheres dançando é uma revolução.
Um bilhão que se ergue é:
Um ataque global
Um convite para uma dança revolucionária
Uma chamada para homens e mulheres que se recusam a participar da cultura de estupro
Um ato de solidariedade, demonstrando a indignação e a força das mulheres de todo o mundo
A recusa em aceitar a violência contra mulheres e meninas
É o nascimento de um novo tempo, uma nova forma de pensar e ser."
No mês que se comemora o Dia Internacional da Mulher, vamos nos erguer e dizer não para toda essa violência contra as mulheres. Vamos nos erguer durante todos os dias! Eu estou nessa e ao meu lado tenho dois parceiros de luta, meu marido e meu filho. Lute, dance, erga-se! Este grito não é meu... este grito é nosso!

Beijinhos...

Câmbio, desligo!

3 de mar de 2013

Vivendo de sombras...

Olá, queridos blogosféricos!!

Participei de um curso de formação, durante a semana que se passou e uma das leituras que nos foi apresentada foi uma história em quadrinhos do Maurício de Sousa. Eu já havia visto a HQ em questão(que vocês poderão ler ao final desta postagem). Ao rever, achei que seria interessante compartilhar com vocês.

A sequência de tirinhas que segue abaixo, "As sombras da vida", foi uma pequena 'brincadeirinha' (muito bem sacada, por sinal!) do querido Maurício de Sousa, inspirada em uma das passagens mais clássicas da história da filosofia, a Alegoria da Caverna, de Platão (também conhecida como "Mito da caverna". Quem não conhece, eu recomendo que leia. É muito interessante! Aliás, acho fundamental que todos tenham acesso a leitura desse texto. Andei "cavucando" pelo papai "gúgol" e encontrei um site com o texto na íntegra: aqui).

No entanto, o mais interessante foi que lembrei de ter visto essa tirinha quando estava lendo, já há algum tempo, um texto da Marilena Chaui(de quem sou admiradora!). 

Diante disso, vou disponibilizar primeiramente o texto Mito da Caverna por Marilena Chaui e logo abaixo a HQ "As sombras da vida".
Imaginemos uma caverna separada do mundo externo por um alto muro. Entre o muro e o chão da caverna há uma fresta por onde passa um fino feixe de luz exterior, deixando a caverna na obscuridade quase completa. Desde o nascimento, geração após geração, seres humanos encontram-se ali, de costas para a entrada, acorrentados sem poder mover a cabeça nem locomover-se, forçados a olhar apenas a parede do fundo, vivendo sem nunca ter visto o mundo exterior nem a luz do Sol, sem jamais ter efetivamente visto uns aos outros nem a si mesmos, mas apenas sombras dos outros e de si mesmos porque estão no escuro e imobilizados. Abaixo do muro, do lado de dentro da caverna, há um fogo que ilumina vagamente o interior sombrio e faz com que as coisas que se passam do lado de fora sejam pro­jetadas como sombras nas paredes do fundo da caver­na. Do lado de fora, pessoas passam conversando e car­regando nos ombros figuras ou imagens de homens, mulheres e animais cujas sombras também são projeta­das na parede da caverna, como num teatro de fanto­ches. Os prisioneiros julgam que as sombras de coisas e pessoas, os sons de suas falas e as imagens que trans­portam nos ombros são as próprias coisas externas, e que os artefatos projetados são seres vivos que se movem e falam.Os prisioneiros se comunicam, dando nome às coisas que julgam ver (sem vê-Ias realmente, pois estão na obs­curidade) e imaginam que o que escutam, e que não sabem que são sons vindos de fora, são as vozes das pró­prias sombras e não dos homens cujas imagens estão projetadas na parede; também imaginam que os sons produzidos pelos artefatos que esses homens carregam nos ombros são vozes de seres reais.Qual é, pois. a situação dessas pessoas aprisionadas? Tomam sombras por realidade, tanto as sombras das coi­sas e dos homens exteriores como as sombras dos artefa­tos fabricados por eles. Essa confusão, porém, não tem co­mo causa a natureza dos prisioneiros e sim as condições adversas em que se encontram. Que aconteceria se fossem libertados dessa condição de miséria?Um dos prisioneiros, inconformado com a condição em que se encontra, decide abandoná-Ia. Fabrica um instru­mento com o qual quebra os grilhões. De início, move a ca­beça, depois o corpo todo; a seguir, avança na direção do muro e o escala. Enfrentando os obstáculos de um cami­nho íngreme e difícil, sai da caverna. No primeiro instante, fica totalmente cego pela luminosidade do Sol, com a qual seus olhos não estão acostumados. Enche-se de dor por causa dos movimentos que seu corpo realiza pela primei­ra vez e pelo ofuscamento de seus olhos sob a luz externa, muito mais forte do que o fraco brilho do fogo que havia no interior da caverna. Sente-se dividido entre a incredulidade e o deslumbramento. Incredulidade porque será obri­gado a decidir onde encontra a realidade: no que ago­ra ou nas sombras em que sempre viveu. Deslumbramento (literalmente: ferido pela luz) porque seus olhos não con­seguem ver com nitidez as coisas iluminadas. Seu primei­ro impulso é o de retornar à caverna para livrar-se da dor e do espanto, atraído pela escuridão, que lhe parece mais acolhedora. Além disso, precisa aprender a ver e esse aprendizado é doloroso, fazendo-o desejar a caverna on­de tudo lhe é familiar e conhecido.Sentindo-se sem disposição para regressar à caverna por causa da rudeza do caminho, o prisioneiro permanece no exterior. Aos poucos, habitua-se à luz e começa a ver o mundo. Encanta-se, tem a felicidade de finalmente ver as próprias coisas, descobrindo que estivera prisioneiro a vi­da toda e que em sua prisão vira apenas sombras. Dora­vante, desejará ficar longe da caverna para sempre e luta­rá com todas as suas forças para jamais regressar a ela. No entanto, não pode evitar lastimar a sorte dos outros prisioneiros e, por fim, toma a difícil decisão de regressar ao subterrâneo sombrio para contar aos demais o que viu e con­vencê-los a se libertarem também.Que lhe acontece nesse retorno? Os demais prisioneiros zombam dele, não acreditando em suas palavras e, se não conseguem silenciá-lo com suas caçoadas, tentam faze-lo espancando-o. Se mesmo assim ele teima em afirmar o que viu e os convida a sair da caverna, certamente aca­bam por matá-lo. Mas, quem sabe alguns podem ouvi-lo e, contra a vontade dos demais, também decidir sair da caverna rumo à realidade. O que é a caverna? O mundo de aparências em que vi­vemos. Que são as sombras projetadas no fundo? As coi­sas que percebemos. Que são os grilhões e as correntes? Nossos preconceitos e opiniões, nossa crença de que o que estamos percebendo é a realidade. Quem é o prisioneiro que se liberta e sai da caverna? O filósofo. O que é a luz do Sol? A luz da verdade. O quê é o mundo iluminado pelo sol da verdade? A realidade. Qual o instrumento que liberta o prisioneiro rebelde e com o qual ele deseja libertar os ou­tros prisioneiros? A Filosofia. 

Marilena Chaui – Convite a Filosofia
Texto retirado do site Cultura Religare







 
 
As tirinhas foram tiradas do site http://www.monica.com.br
Espero que tenham gostado.
Beijinhos e abraços...
Câmbio, desligo!