11 de dez de 2011

Minha história de leitura... qual a sua?


Imagem encontrada através do papai "gúgol"
Olááá, queridas e queridos... que saudades de vir por aqui! Quero agradecer a todos os comentários das postagens anteriores e a compreensão pelo meu sumiço temporário. Mas, estou de volta e colocando minhas visitas em dia.

Então, vamos ao assunto!?

Em algumas postagens minhas, recebi comentários de alguns amigos, falando que não tiveram incentivo à leitura desde a infância. Com isso, há dias venho sentindo vontade de socializar com vocês como se iniciou meu contato com o universo literário.

Segue abaixo, um relato que fiz para o curso Pro-Letramento. Para quem não sabe do que se refere esse curso, vá ao site do Mec - Pró-Letramento.

O texto abaixo foi retirado de meu Memorial Descritivo, trabalho este que foi feito durante todo o curso e entregue ao final.

Nesta parte do Memorial, eu deveria relatar minha história de leitura. Foi aí que resolvi fazer o relato de um relato(confuso?)... a questão é a seguinte, eu já havia feito algo parecido na faculdade. Com isso, resolvi socializar o que me aconteceu naquela época, em uma aula específica. Pois, ali estava minha história. Segue, com algumas modificações que achei pertinentes para postar aqui:

Há alguns anos, quando eu ainda cursava o segundo ano(2002) da faculdade de Pedagogia (FE - UFG), minha professora de língua portuguesa pediu à turma que cada aluno contasse sua história de leitor.

Inicialmente fiquei muito frustrada ao ouvir os relatos de meus colegas, pois muitos deles se lembravam de como aprenderam a ler e do estímulo que recebiam de suas famílias, enquanto eu, não conseguia lembrar sequer o nome da minha primeira professora, nem dos momentos em que tive acesso aos livros em minha infância.

Mas, com o passar dos minutos e quase chegando minha vez de compartilhar fui me recordando que, quando eu tinha 13 anos, precisei freqüentar a biblioteca Municipal da cidade onde eu morava para fazer uma pesquisa escolar.

Lembro-me de ter ficado boquiaberta com tantos livros e acabei esquecendo de fazer a pesquisa.

Vasculhei os livros literários que eu já havia ouvido falar e outros mais que eu nunca tinha visto na vida.

Me recordo que peguei o livro “Memorial de Aires” de Machado de Assis e comecei a ler imediatamente. Se hoje me perguntarem o que me lembro do livro, não saberei responder muitas coisas, mas não me esquecerei jamais do casal de velhos. Não consegui ler tudo no mesmo dia, mas, quando chegou a hora de ir embora escondi o livro bem no canto de uma prateleira, para não correr o risco de perdê-lo de vista para o dia seguinte. Tempos atrás uma pessoa me perguntou como eu havia conseguido “tomar gosto” pela leitura com um livro “tão ruim” como esse. Eu simplesmente respondi, “eu gostei... ponto final! Não acho que exista um porque! É algo muito subjetivo!!”

O que mudou radicalmente, depois dessa descoberta, foi que eu sempre dava um jeito de inventar uma desculpa para a mamãe, de que eu precisava ir até a biblioteca fazer alguma coisa para a escola(na verdade era só uma desculpa, para poder ler, ler e ler, pois lá era o único lugar onde eu tinha acesso aos diversos e maravilhosos livros. Joicy, sua danadiiiinha!). Mamãe nunca disse “não”, pois se o assunto era estudar, ela liberava!(risos)

Posso dizer de maneira convicta de que minha paixão por livros iniciou-se ali. Com O Pequeno Príncipe, As reinações de Narizinho, todos da coleção Vaga Lume, e mais tantos outros...

Até hoje sou apaixonada por esse universo! Leio muitos livros da minha área de atuação (educacional), já li e leio muitos lidos intitulados por alguns como “culturetes” (Clássicos brasileiros e internacionais), mas, também gosto muito de ler livros de diversos autores que são tidos por muitos “Cults” como cultura inútil e fútil (Todos da Marian Keyes[Melancia é meu favorito.. a Claire é hilária!], já li vários do Sydney Sheldon[simmm... ok?], muitos da J. R. Ward (não vivo sem os vampiros da Irmandade da Adaga Negra)...) e muitos outros Best Sellers. Amo ter livros impressos. Sou apaixonada pelo cheiro de livro novo e também vou bastante à sebos(o bolso agradece!). Tenho uma paixão que iniciou-se há alguns anos, que são os Ebooks***, principalmente dos livros que ainda não foram lançados por nenhuma editora do Brasil, pois, o vício acaba não permitindo que eu espere tanto tempo para poder lê-los, restando somente a possibilidade de ler em formato Ebooks, geralmente traduzidos por algum grupo de voluntários(pois meu inglês NÃO vai tão bem, obrigada!). Porém, tão logo a maioria desses livros foram lançados por aqui eu imediatamente dei um jeito de comprar e continuarei assim fazendo(sim, sou uma consumista, qdo o assunto é esse... já falei sobre esse meu vício por aqui).
Imagem encontrada através do papai "gúgol"
  Alguns anos depois que o encanto se iniciou, ainda na adolescência, tive um encontro marcante com O MUNDO DE SOFIA. Quem quiser dar uma curiada, já falei sobre  essa minha paixonite aqui noblog e, também, nesse link do site EducarParaCrescer => O livro que fez a cabeça da professora Joicy Fonseca!

Meu atual livro de cabeceira é A insustentável Leveza do Ser, de Milan Kundera (né José Bruno e Joyce Pretah?). Outro que está 'debaixo do travesseiro' se chama Pulp, do Bukowski. Há algum tempo que ando coladinha com velho safado... gosto "so much".
Ah, estou fascinada pelo universo HQ. Encontrei um tempinho em minha agenda de final de ano para ler The Walking Dead, graças ao amigo Jacques do blog Relativa Seriedade.
 
*** Comecei a ler Ebooks numa época em que fiquei muito tempo afastada do trabalho(clavícula quebrada e escápula fraturada), pois os livros e filmes que eu tinha em casa não foram suficientes para me segurar. Então, para passar o tempo, precisei recorrer aos Ebooks. Depois disso, sempre recorro aos livros digitais, apesar de ainda preferir os impressos. :)
Enfim, é isso!!!

E você? Como iniciou sua história de leitura? Conte-nos!!

Vou me despedindo de vocês, com um forte abraço e muitos beijinhos...

ATENÇÃO! Depois de quase 3 horas que postei esse texto, o amigo José Bruno compartilhou comigo sua postagem, com título homônimo ao meu. Achei lindo e indico para vocês. É só irem lá no SublimeIrrealidade.
Câmbio, desligo...

42 comentários:

  1. Eu AMO Marian. já li dois ou três livros da coleção, o que mais gostei foi "Férias!", e ele é o segundo da coleção.

    Minha mãe nunca foi ligada em leitura, nem meu pai; porém ele SEMPRE trazia algum livro com MUITAS figuras pra casa, e me dava. Eu não entendia bem as histórias, eu tinha uns 4 ou 5 anos, só sabia reconhecer algumas letras e formar algumas palavras, mas isso não me impedia de folhear os livros e inventar as histórias de acordo com as imagens que eu via.

    Ainda lembro do primeiro livro que eu consegui ler completamente: Eu tinha 6 anos recém completados e estava na escola. Peguei um livro bem colorido que contava alguma história sobre uma galinha. Sentei, abri e comecei a ler. A professora saiu de onde ela tava e veio pra o meu lado, de mansinho. Parou e ficou ali, me olhando com cara de boba. kkkkkk
    Nunca mais parei de ler e sempre ficava feliz por ter lista de livros paradidáticos nas escolas que estudei.kkk

    beijos.

    ResponderExcluir
  2. Volto aqui daqui a pouco com uma novidade, espere...

    ResponderExcluir
  3. Fala, Joicy!

    Porra, nem sei por onde começo, vamos lá.

    13 anos ler machado de assis e gostar?? Bah, nessa idade normalmente machado afasta o jovem da literatura. hehe Eu comecei com sherlock holmes e sempre queria desvendar o final e nunca acertei um, é foda. Assim foi com a agatha cristie tb.

    Não sabe como tu me deixa animado ao falar que gosta de literatura "trash" (uso esse termo pra denominar livros que aos olhos dos "cults" são aberrações sem valor ao mesmo tempo que pra mim são demais!) eu sou fanzão também. Gosto do realismo sujo, da honestidade com o leitor, da verdade e do linguajar cotidiano. Enfim, eu escrevo dessa forma, seria contraditório eu não gostar hehehehe. Sou assim com filmes também. Claro que gosto de livros consagrados também, acho que em todos os campos há livros excelentes dentro do assunto que o autor propõe. Assim é no cinema também, tem muita trashera fora os refletores hollywoodianos que são demais! Pra ti ver, no meu top 3 do cinema está Taxi Driver, que apesar de um puta diretor e ator, eu acho um filme super underground.

    E pra completar, mundo de sophia é porreta, tem que entrar na viagem do livro, mas depois que engrena vai que é uma beleza!

    Bah, dei uma palestra aqui hahaha

    Bjs

    Blog: Palavra Vadia

    ResponderExcluir
  4. Oi Joyce..

    Fico me sentindo um Patinho Feio aqui...

    Meu universo literário é uma pulguinha perto do seu..

    Meus pais sempre muito simples, nem o quarto ano primário tem.

    O meu acesso a livros se iniciou juntamente com o meu ingresso ao primeiro ano primário.
    Nesta época adora os Contos de Fadas...
    Na adolescencia tive uma face que era aficcionada por Agatha Cristie... Depois Sidney Sheldon se fez presente por muito tempo em minha estante.
    Depois desta face nunca tive uma linha de autores preferidos..Leio o que me chega..ganho muitos livros de presente.
    Hoje minha leitura é mais relacionada a assuntos relacionados a arte.

    Um beijinho..bom retorno ( eu tb dei uma pausa).

    Semana de paz a vc!!

    ResponderExcluir
  5. Pronto Joicy!
    Voltei e com a minha novidade, gostei tanto de seu post que ele me motivou a escrever um similar, espero que você goste! Sua história com os livros é linda e te admiro muito por estar preocupada em transmitir algo tão belo para seu filho e para seus alunos. Parabéns amiga!!!
    .
    http://sublimeirrealidade.blogspot.com/2011/12/minha-historia-de-leitura-qual-sua.html

    ResponderExcluir
  6. Ah, O Mundo de Sofia é realmente maravilhoso, uma das melhores obras de minha coleção pessoal! Li seu post sobre ele, já o li duas vezes e deu vontade de ler de novo, o desfecho é um dos melhores que já li...

    ResponderExcluir
  7. Muito boa sua postagem! Ler realmente é muito bom e seu depoimento aqui também foi muito legal.
    Eu escrevi uma postagem sobre como passei a gotar de ler e como isso mudou minha vida, aqui vai o link:
    http://amansim.blogspot.com/2011/08/o-educador-que-muda-vidas.html

    E aqui uma postagem que fiz esses dias falando sobre como os livris salvam as pessoas:
    http://amansim.blogspot.com/2011/11/salvacao-de-jonas_30.html

    Acho que vai gostar Joicy! Um beijão, tenha uma ótima semana e aparece pô!

    ResponderExcluir
  8. Joicy, na escuta??

    Pois é menina que "roubava livros", pq ia segundo sua santa mãezinha, fazer trabalho de escola...#Euri!. Como somos arteeeiras!!
    Eu não tenho um repertório 'a long time a go', mas lembro que me fascinei com um livro sobre drogas na adolescência da blibioteca recém chegada na época em minha escola (década de 90). Era uma biblioteca trancafiada e pegar um livro era suuuper difícil, passávamos por uma análise quase de 'QI'...hihi. Enfim me encantei com esse livro onde contava uma história de uma família com dois filhos onde o mais velho se envolveu com drogas e o mais novo era o narrador. Me identifiquei mto, mas juro não lembro do nome do tal livro. Li outros obrigada no antigo colegial...um que quase morri de ódio para ler é o tal Senhora - o único que comprei pq a professora iria dar nota não só pra quem lesse o tal dito cujo, mas quem tivesse com ele em mãos (trágico). Ler por obrigação é uma tortura, acho que por isso minha monografia na faculdade foi sobre como incentivar o gosto pela leitura.
    Enfim, sempre tive mais 'xeroteca' do que livros mesmo. Porém depois de #'maismaiordegrande' eu pude comprar alguns romances e me deleito com eles. Além é claro de livros na nossa área.
    Parabéns pelo post, rememorou minhas memórias 'teens'...algo que o tempo rouba de nós.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Querida Joicy, adorei o post mais uma vez. Esse é um tema que me fascina, adoro ler, eu e o Robson(senhor Carol, gastamos horrores em livros, e também lemos de tudo um pouco...Desde pequena, minha irmã mais velha(só três anos a mais que eu), assim que aprendeu a ler começou a ler pra mim, outra apaixonada, minha mãe via que gostávamos e comprava livrinhos literários , conto de fadas, de um homem que passava de porta em porta...Outra contribuição pra essa paixão foi a minha professora da 3ª série, a tia Edma, que levava uma caixa enorme de livros pra sala de aula e nos encorajava a levar todo fim de semana um livrinho pra casa...Ahhh as aventuras do Cachorrinho Samba, a coleção vagalume...A partir daí começamos um clubinho do livro na rua da minha casa, eu levava os livrinhos da caixa da professora, minhas amigas pegavam outros na biblioteca da escola e liamos correndo para trocar...
    Adorei seu post, me trouxe tantas lembranças boas, e quem sabe daqui a alguns anos um aluninho seu vai se lembrar de vc com o mesmo carinho que ainda tenho pela "tia Edma" e sua caixa de livrinhos...

    ResponderExcluir
  10. Joicy,

    assim sendo, hoje não vou comentar o seu post já que o final nos convida a contar o inicio da nossa história de leitura. falando sério, nunca fui grande apaixonado pelos livros, mas o meu quotidiano de estudante a isso me obrigava.
    é certo, e não nego, que com o crescer e os anos lectivos a pesarem, cada vez mais, na nossa responsabilidade, a leitura foi abrindo portas a algumas preferências e os tempos livres já contemplavam alguns minutos dedicados a autores e temáticas extra curriculares.
    a minha vida de estudante tem sido longa, de tal forma que, ainda hoje, por prazer devoto, me encontro a frequentar uma licenciatura muito ligada ás ciências sociais onde a temática é por demais abrangente. quero, contudo, dizer-lhe que esta minha postura e "aceso" gosto pela escrita e leitura tem um princípio numa altura da minha vida deveras complicada, escura mas... por outro lado, iluminada. é...
    um acidente, um traumatismo craniano e as suas consequências cognitivas.

    dava uma história mas vou resumir...
    esse acidente despertou em mim um amor como nunca vivi. saudável e apaixonante...
    costumo dizer que:
    desde que escangalhei a minha cabeça nasceu em mim um "ser" amante das palavras escritas e das coleções encadernadas de leitura.

    o seu post é maravilhoso. expressa ternura com palavras que sabem conquistar a delícia de ler. é importante que as pessoas, nos tempos de hoje, dêem um lugar à leitura.

    a leitura enriquece a alma do nosso Bem-Estar.

    bj...nho

    ResponderExcluir
  11. Joicy,

    assim sendo, hoje não vou comentar o seu post já que o final nos convida a contar o inicio da nossa história de leitura. falando sério, nunca fui grande apaixonado pelos livros, mas o meu quotidiano de estudante a isso me obrigava.
    é certo, e não nego, que com o crescer e os anos lectivos a pesarem, cada vez mais, na nossa responsabilidade, a leitura foi abrindo portas a algumas preferências e os tempos livres já contemplavam alguns minutos dedicados a autores e temáticas extra curriculares.
    a minha vida de estudante tem sido longa, de tal forma que, ainda hoje, por prazer devoto, me encontro a frequentar uma licenciatura muito ligada ás ciências sociais onde a temática é por demais abrangente. quero, contudo, dizer-lhe que esta minha postura e "aceso" gosto pela escrita e leitura tem um princípio numa altura da minha vida deveras complicada, escura mas... por outro lado, iluminada. é...
    um acidente, um traumatismo craniano e as suas consequências cognitivas.

    dava uma história mas vou resumir...
    esse acidente despertou em mim um amor como nunca vivi. saudável e apaixonante...
    costumo dizer que:
    desde que escangalhei a minha cabeça nasceu em mim um "ser" amante das palavras escritas e das coleções encadernadas de leitura.

    o seu post é maravilhoso. expressa ternura com palavras que sabem conquistar a delícia de ler. é importante que as pessoas, nos tempos de hoje, dêem um lugar à leitura.

    a leitura enriquece a alma do nosso Bem-Estar.

    bj...nho

    ResponderExcluir
  12. Garota Insônia 1!
    Câmbio!
    ....
    Garota Insônia 2, falando!
    ...
    rsrsr

    Seguinte..., ótima cultura de livros você tem, menina!
    A minha experiência é mais dos clássicos mesmo, seja o gênero que for, entre outros.
    Sempre, em toda minha vida, pasme! Li muito mais livros didáticos que livros de literatura, não me arrependo. Como sempre gostei de escrever, tive comigo que não posso escrever e ler ao mesmo tempo sobre literatura, parece coisa meio esquisita, mas tenho certeza de que não seria muito autêntica se assim o fizesse.
    Meu preferido é Oscar Wilde, desse eu já li quase tudo, para não dizer tudo, mas não em inglês que não domino, sua lingua-mãe, mas português, espanhol e italiano.

    Mas fora isso, com certeza, sempre assisti a muito mais filmes que li livros.
    Sincera, eu!

    Beijos!
    Câmbio, desligo!

    Ótima semana!
    Quando você entra em férias?

    ResponderExcluir
  13. Oi Joicy!
    Tudo tem um começo, não é mesmo? A minha história é menos emocionante que a sua, mas também foi marcada por um livro em especial. Até a sexta série (atual sétimo ano) eu só lia livros porque era obrigado pela escola pra poder passar na matéria de literatura. Numa dessas "obrigações", eu conheci o livro que mudou minha vida, A Droga da Obediência de Pedro Bandeira. Indico muito, é um ótimo livro e eu já o li muitas vezes. A partir daí eu comecei a me interessar pelos livros e não parei mais... ano passado bati meu recorde e li 14 livros em 1 ano.

    Gostei da coluna de top comentaristas, as minhas amigas Lay e Tsu que me desculpem, mas eu vou ficar em primeiro... ;D

    Bjuss

    ResponderExcluir
  14. Oi, Joicy!

    Tudo bom?

    Bem, comigo está assim: intervalinhos aqui, intervalinhos ali, e assim vou até dia 20, 21. Como dizia o jingle governamental, sou brasileiro e não desisto nunca e mais ainda sou brasileiro-professor-sofressor e por isso mesmo masoquista rsrs

    Olha, conforme eu afirmei no Facebook, eu conto sobre minha história de leitura aqui, em uma postagem de 2009, acredite:

    http://grooeland.blogspot.com/2009/06/homenagem-um-amigo.html

    Resumidamente, foi graças às Histórias em Quadrinhos. E ao Tio Patinhas e ao Pato Donald. O velho pato estava sempre procurando tesouros ao redor do mundo e assim partia para os Andes, atrás das riquezas dos Incas; para o Egito, Pérsia, Mesopotâmia, China,enfim, fazia a volta pela História - cortesia do desenhista e roteirista Carl Barks. E o que eu fazia após ler essas histórias? Corria para a enciclopédia ou biblioteca para saber mais sobre estes lugares. Tanto sabia que cheguei à 5.a série e a professora de História falava sobre Incas, Maias, Astecas, Egípcios e eu já conhecia muita coisa sobre eles. Graças ao velho pato mais rico do mundo - que recebeu críticas daquele pessoal da esquerda radical em um livrinho chamado "Para ler o Pato Donald", de Armand Mattelart ( se não me engano) em que tratava dessa galeria de personagens Disney como representantes do imperialismo estadunidense e carregava no preconceito e estereótipo aos países pobres e blá blá blá. O próprio autor admitiu, anos depois, que exagerou em algumas críticas.

    As HQ´s ensinaram umas coisas legais. Uma das minhas revistas favoritas, o Homem-Aranha, já mostrava a manipulação que a imprensa poderia fazer movida por desejos pessoais - no caso a perseguição de J.J.Jameson ao Homem-Aranha. Parei de ler estas revistas quando a qualidade tanto dos roteiros quanto dos desenhos caiu assustadoramente. Outro dia folheei uma revista do Homem-Aranha e do Batman e me perguntava: "O que fizeram com vocês? Estão horríveis, sem conteúdo, repletos de crises existenciais bobinhas...acabaram com vocês mesmo!" :(

    Ah, você vai morrer de rir com "Pulp" do velho. Os críticos - ah, os críticos! - dizem que este é o livro mais "fraco" do Bukowski, que é irregular, que não deveria ser levado em consideração e blá blá blá. Mas eu adoro este livrinho - como todos do velho - porque ele esculhamba a literatura policial, as tramas por vezes pra lá de inverossímeis de grandes autores e, claro, tudo com a marca registrada do Buk: mulheres, bebedeira, putaria e muito, mas muito senso de humor mesmo! Eu morro de rir com este livro, é engraçadíssimo!

    E eu não ligo para que os críticos dizem ou não dizem sobre livros e música. Literatura é gosto, é particular. Eu não gosto do Paulo Coelho, mas o cara tem milhares de leitores. Os críticos podem torcer o nariz para o Paul Rabitt, Harry Potter, Crepúsculo, mas estes autores e livros conseguiram fazer o que muitos autores admirados por estes críticos não conseguiram: que as pessoas lessem, que houvesse uma porta de entrada para este mundo mágico da leitura. Literatura não é um clubinho fechado para eruditos que passam horas discutindo e páginas discutindo métricas, ritmos ou analisando psicologicamente a personagem: é - deveria ser - para todos. Por isso gosto de um sujeito chamado Fausto Wolff que dizia, para desespero destes críticos, que dava mais valor a um livro escrito com sinceridade e verdade pelo autor a uma obra, digamos, "técnica" demais, "bem escrita" naquele jeito pasteurizado, incapaz de transmitir emoção ou verdade ao leitor.

    Putz, exagerei novamente no comentário rsrs Deixa eu partir para outros cantos agora, aproveitar essa breve pausa rsrs

    Beijo! E obrigado por suas palavras ao texto em parceria com a Cissa. Só mesmo a Cissa para tirar as teias de aranha do meu blog rsrs

    Bjs e ótima semana! :)

    ResponderExcluir
  15. Adorava tambem os livros da série vaga-lume, ainda lembro de um dos meus prediletos, "O Menino de asas" e li quase todos desta coleção. Minha literatura começou com quadrinhos, adorava Disney e Universo Marvel, fui ter contato com livros filosoficos mais tarde, quando comecei a trabalhar em uma banca de jornal com 15 anos. Kafka , Dostoievski e kundera são meus prediletos, mais consegui me emocionar de verdade lendo o Tempo eo Vento de Erico Verissimo,e Cem anos de solidão de Garcia Marques. Otimo topico !

    ResponderExcluir
  16. tambem era umrato de biblioteca, e tive uma epoca "ocultista" lendo blake e Evans,como ta escrito ai em cima,vc tambem era fã de quadrinhos né !

    ResponderExcluir
  17. MA FERREIRA, olá, minha artista querida... patinho feio que nada. Sua história é bela! Acho que de certa forma nos identificamos muito tbem... Olha que lindo, vc consegue lembrar de sua história de leitura desde os primeiros anos de escola. Eu sequer lembro disso... acho que minha história, comparada a muitos, começou tarde. Mas, como diz o ditado, antes tarde que nunca. Olho para trás e agradeço por ter conhecido esse universo. Adorei poder ler um pouco dessa bela época de sua vida...

    ANDRE MANSIM, olá querido... desculpe meu sumiço! Aparecerei mais agora, que já estou quase de férias! Vou conferir suas postagens... Gosto muito de ler essas experiências. Valeu por vir... bjs pra família! :)

    JULIANA AZEVEDO, jujubs... câmbio! rs

    Que emocionante seu relato, amiga. Vou confessar que tbem não consegui ler Senhora (Acho que o Jaime Guimarães disse dia desses que tbem não conseguiu... então, já somos 3. Me sinto melhor com esse fardo, agora! rs) ... aiaiai... professores desse tipo ainda temos aos montes. Eu tive um desses na época do segundo grau. O cara era todo estilo alternativo, parecia o Raul Seixas... até parecia ser legal. Por conta do estilo, pensávamos que ele seria um super professor. Mas, na verdade era um saco!!! Bem do tipo, quem vê cara não vê coração mesmo... foi uma época difícil. Foi complicado engolir alguns clássicos da literatura brasileira, naquela época. Anos depois eu li O cortiço e me encantei. Tentei fazer o mesmo com Senhora, mas não desceu... já tentei outras vezes, mas não vai nem com reza “braba”. Rsrsrsrs... Adorei ler sua história de leitura... bjão

    CAROLINA MACHADO, ahhhhh vc me recordou um livro que eu amava, da coleção vagalume. Cachorrinho Samba, como eu amava!!! Sua história é encantadora, amiga. Adorei... espero sim, poder fazer a diferença na vida dos meus pequenos alunos, assim como sua prozinha Edma... grande beijo!!!

    RETRATO, meu querido poeta... que linda sua história. Superação foi a palavra que me veio à cabeça, ao ler seu relato! Realmente emocionante... adorei ler sobre esse amor saudável e apaixonante pelas palavras escritas. Seu blog mostra que vc se saiu bem com essa paixão. Obrigada por dividir comigo e os leitores do meu blog, seu maravilhoso comentário. Grande beijo em seu coração... :D

    CISSA ROMEU, garota insônia 2,

    Garota insônia 1 na escuta... Não pareceu esquisita, sim sincera! Adorei saber um pouco sobre vc. Agora entendo mais sua paixão e facilidade em escrever... rsrsrsrs... vc escreve com gosto, com afinco! Seu blog está aí, para nos mostrar isso com clareza! Isso é bom!!!

    Eu nunca fui muito de escrever... pra falar a verdade, só escrevo aqui, no blog e coisas relativas ao meu trabalho. Da época da faculdade e especializações tenho na bagagem 3 monografias e alguns artigos. Tenho orgulho em dizer que todas foram escritas por minzinha, com muito esforço! rs Porém, parei por aí. Não tenho essa facilidade que vcs têm em escrever contos, crônicas e afins. Acho tudo de bom, mas meu lance é ler. É como a comida. Não sou boa de fazer, porém ótima para degustar! Rsrsrsrrs

    Ahhhh, sobre filmes, já confessei para todos os cantos que esses estão no topo de minhas preferências. Adoro ler... mas, os filmes estarão sempre em primeiro lugar! Gosto muito... muito mesmo!

    Bjks, Câmbio, desligo! ;)

    ResponderExcluir
  18. RICKY OZ, ahhh que legal sua história de leitor... bom eu falei anteriormente para a Ju e o Jim sobre essa questão de professores que nos forçam a ler SEM prazer. É algo realmente complicado e uma prática ainda muito vista, apesar de em menos grau. Poxa, “A droga da obediência” é um livro maravilhoso do Pedro Bandeira... eu li há muitos anos, ainda na adolescência... Hoje tenho diversos livros desse autor, para que meu filho leia! Obrigada por me fazer relembrar desse clássico infanto-juvenil. Adoro!
    Hahahahah, então vc está no topo dos Tops coments!!! Heheheheheh

    bjksssss

    JAIMINHO, olá querido! Vamos contar os dias até que cheguem as férias... contagem regressiva!!!!

    Já vou dizendo que fui correndo ler o texto que vc fez em homenagem ao Pato Donald... adorei! Ahahahah... sempre com ótimo humor! Vc me fez lembrar de como eu adorava ler esses HQs. Nossa, gostava muito mesmo. Lembro que eu já era grandinha, tipo uns 14 anos, e ficava horas lendo as aventuras do Tio Patinhas e do Pato Donald para meu irmão mais novo, que tinha dificuldades em leitura e escrita... realmente, recordar é viver!

    Ah, essas teorias de conspiração sempre existiram, né!? Houve um tempo que era mais arraigado ainda. Lembro-me que eu tinha um professor que abominava esse tipo de leitura. Ele era um radical que falava super mal dos EUA.

    Ah, sim, as adaptações das HQs foram abrindo espaço para obras extremamente desconexas. Alias, estava falando sobre isso com a TSU, mas em relação aos filmes. A coisa está ficando feia... digamos que estejamos caindo na mesmice. Ou, quando se pensa estar inovando, na verdade estão dando shows de “mega produções” porém, como vc apontou, sem conteúdo algum. É uma pena...

    Ah, eu li algumas criticas sobre Pulp. Mas, digamos que sou osso duro de roer. Ainda mais quando é um autor que gosto. Se a critica fala que é ruim, aí que faço questão de conferir, para tirar minhas conclusões. Estou adorando... me esbaldando mesmo! Rsrsrsrsrs

    Concordo totalmente com o que vc disse sobre literatura... é gosto, é particular mesmo! Sou do tipo que gosto de me sentir bem lendo um livro e tendo a necessidade de devorá-lo. Quase que literalmente... é muito engraçado como me sinto. Já me peguei dando gargalhadas... assim como tbem, já passei por situações em que chorei de soluçar com alguns acontecimentos relatados nos livros. Sou muita emoção(acho que já percebeu... rainha dos exageros... rsrsrs)... acho que, de certa forma, transmito isso para meus alunos, quando leio pra eles. Qdo o ano vai chegando ao fim, percebo o quanto eles vão adquirindo algumas características de mim... inclusive na forma como lêem para os colegas. No sentimento que colocam nas palavras... é de emocionar.(Dãrr, que bobona vc, Joicy!) Nunca vou me esquecer do dia em que li o livro “o patinho que aprendeu a voar”, do Rubem Alvez e ao final, eu com lágrima nos olhos, levantei o olhar e vi a sala totalmente muda, com mais da metade chorando comigo. Acho que ler é isso... é sentir!

    Não se preocupe... adoro ler vc! Hahahahah... continue exagerando! Pois eu fico daqui, puxando a cadeira e só aproveitando a leitura!

    Bjão ;)

    ResponderExcluir
  19. VICTOR VON SERRAN, eu simplesmente amava os livros da coleção vagalume... muito bons! Eu ainda pretendo compra-los para meu filho... rsrsrsrsrs... ou seria um momento nostalgia meu!? Rsrsrsrs... enfim, quero comprar. Tbem comprarei alguns outros que os colegas falaram aqui, e me recordo de ter adorado. Quero poder colaborar para que meu filho se sinta a vontade com esse universo literário, pelo prazer acima de tudo! Que bacana sua história de leitor... achei fantástico vc compartilhar que trabalhou em uma banca de jornal. Querendo ou não esteve mergulhado em um universo diversificado, né? Muito bom isso!!! De Kafka, o primeiro que li foi Metamorfose... rsrsrsrs... parece meio óbvio né? Amei... li outros e me encantei! Dostoievski é fantástico. Vi que vc indicou, lá no face, Irmãos Karamazov... ótima dica!!!!

    Ahhhh, tenho lido alguns livros do Erico Veríssimo, literatura infantil e tenho me apaixonado!!! Nossa, meus alunos estão encantados... O livro “Os três porquinhos pobres” é demais!
    Sobre ser rato de biblioteca, sinto muitíííssimo por hj não vermos as pessoas(principalmente os adolescentes) se interessando por esse espaço tão importante.

    Eu sempre gostei muito de HQ, mas parei de ler há muitos anos. Agora estou voltando. Encantando-me novamente.

    Obrigada pelo comentário... vc acrescentou muito ao nosso “bate papo”... estou adorando muito tudo isso! Bjão

    ResponderExcluir
  20. LAY, Ahhh, sobre os livros da Marian, eu amoooooo "férias"... é o meu segundo predileto. Primeiro Melancia. Aqui em casa nós temos TODOS. Sabe o que fazemos? Compramos e damos de presente entre nós (sogra, cunhado e eu)... kkkkkkk ... é uma forma de ter fácil acesso aos livros! heheheheh... espertinhosss!

    Ah, estava com saudades de visitar vc.

    bjks

    JIM CARBONERA,
    Hahahaha... adorei sua espontaneidade!! Pois é, Machado é do tipo ame-o ou deixe-o mesmo, principalmente quando somos muito jovens. Vou te falar, já odiei muitos clássicos da literatura Brasileira, por conta de leituras obrigatórias, inclusive muitos do Machado de Assis. O cortiço, de Aluísio Azevedo foi um desses, só consegui ler quando já estava na faculdade. Tudo culpa de um professor do Ensino médio(antigo segundo grau)... vou te falar, alguns professores conseguem nos fazer odiar determinadas matérias. Detalhe, sou professora, porém faço o possível para dar qualidade às minhas aulas. Enfim, voltando ao livro “o cortiço”, depois que me desprendi de todas as amarras do preconceito, me apaixonei por ele. Acho que justamente por tentar deixar de lado todo esse preconceito, me apaixonei tbem pelos livros que, como vc intitulou, são “trash”... rsrrs... as tais aberrações aos olhos dos “cults”. Mais um detalhe, alguns me chamam de “culturete”, por causa de meus gostos por filmes alternativos. Meu irmão dia desses chegou aqui em casa e viu minha coleção da Irmandade da Adaga Negra (J.R. Ward) e me disse, “não acredito que uma pessoa com gostos tão refinados para filmes e livros, como vc, está lendo esse tipo de obra.” Olhei com aquele olhar WhaThaFuck?? Esses rótulos são tão desnecessários, não acha!? As pessoas sentem essa necessidade de nos encaixar em uma definição. Esquecem-se que ler é uma questão totalmente ligada ao prazer... enfim, não me apego mais a isso. Sou como vc...

    Nossa! Taxi Driver é um clássico! Vamos trocando figurinhas sobre filmes, então... sou amante dessa arte! Amante declarada... DE-CLA-RA-DA!!! Rsrsrsrs aliás, filmes vem antes de livros, para mim. Fato!! Leio muito... mas, se tiver que escolher, fico com os filmes!

    Sobre o livro, O mundo de Sofia, eu simplesmente sou super suspeita em falar... adoro esse livro! Gostei tanto que há um tempo eu comprei a minissérie(não tão boa, mas vale a pena)...

    Adorei sua visita... volte sempre! Bjks

    ResponderExcluir
  21. O primeiro livro que me recordo ter lido de cabo a rabo, foi um livro espírita, intitulado "O Peixinho Azul". Foi minha mãe, que é espírita convicta, que me deu. É um bom livro. Um pouco triste para um infantil, talvez, mas muito bom.

    Daí, a coisa descambou pra Machado de Assis, Kafka, Nietzsche, Orwell, Huxley, e tantos e tantos outros...

    Beijos.

    ResponderExcluir
  22. Postagem muito supimpa Joicy! Deveras interessante sua história com a leitura.

    Meus avós paternos só fizeram o primeiro ciclo do ensino básico em Portugal, que se não me engano corresponde ao Ensino Fundamental I do Brasil e meus avós maternos foram refugiados da segunda guerra mundial que fugiram da guerra na Itália para o Brasil e também tinham pouco estudo. Minha mãe fez até a quarta serie, então meu pai foi o primeiro na família a ter ensino médio completo e a minha geração é a primeira a cursar faculdade. Por isso já era de se esperar que por parte da família nunca tive incentivo a leitura e mesmo dos professores também nunca tive. Só lia na escola os livros que era necessário e ficava nisso.

    Pode ser estranho, mas foi devido a música que me interessei por livros. Não é raro encontrar no Heavy Metal álbuns baseados em livros e de tanto me deparar com isso comecei a ler alguns desses livros para compreender as letras das músicas. Tendo o Blind Guardian como banda preferida, logo me apaixonei pela literatura de ficção fantástica de J.R.R.Tolkien e entrei de cabeça no mundo da literatura. Não faço ideia do primeiro livro que li na escola, mas o primeiro por livre e espontânea vontade foi "The Hobbit" de Tolkien. Também nessa época me apaixonei pelos famigerados quadrinhos japoneses, os "mangás".

    Depois fui lendo mais coisas dentro desses romances fantásticos e fui expandindo com os brasileiros Machado de Assis, Guimarães Rosa, Jorge Amado, dentre outros e tive um surto de paixão pelas obras de José Saramago rsrs. Agora tenho muito para ler devido a faculdade, mas ainda assim consigo tempo para ler o que não está na lista dos meus professores. Fora dessa lista o que tenho lido atualmente são os livros "As Veias Abertas da América Latina" do escritor uruguaio Eduardo Galeano e "America Latina no Labirinto Global: Economia, Política e Segurança" de vários autores latino americanos. Tenho me interessado pela identidade latino americana recentemente rsrs.

    ResponderExcluir
  23. Olá!! Joicy a minha historia de leitura começa bem aprecida com a sua, na minha cidade natal, tem uma biblioteca publica e digo que a biblioteca é bem grande, quando entrei nela pela primeira vez foi aquele encanto, aquele cheiro de livros antigos me fascinou de tal maneira que todos os dias eu saía a escola e ia direto pra ela, lá ficava horas lendo e lendo e pesquisando, aprendendo e quando chegava em casa tarde, falava com minha mãe que estava lá estudando, ela não gostava muito, mais mesmo assim, ela não brigava, passei anos assim, até a minha escola finalmente abrir uma biblioteca, ahhh... daí no horario vago (recreio) eu ia pra lá com minha amiga e adoravámos ler livros de poesias, aventura e romances, foi aí que comecei a levar os livros pra casa e finalmente poder ler em casa, como eu só podia ler a noite, não me restava muito a ficar até tarde da madrugada para ler um livro grosso em menos de um final de semana... rsrsrsrs... hoje sou mãe de 3 filhos e incetivo meus filhos ao maximo a ler, compro livros, eles ganham, eu pego textos na net, imprimo e dou pra eles lerem e depois pintarem... sou aquela mãe que incetiva tudo que é bom, inclusive musica!!! Rsrsrsrs bjks.
    PS: ainda não achei o filme 'Deixa ela entrar' pra baixar, já tentei uns 10 sites e todo os links estão corrompidos... ufffaaa... vou continuar procurando, preciso assistir!!! =D

    ResponderExcluir
  24. não é minha postura fazê-lo, dou uma imagem de estar a fazer publicidade ao que escrevo, contudo e visto que estamos a falar de "leitura" e leitura tem como base a escrita, deixo-lhe o convite, se tiver tempo e paciência para tal, para um dos meus antigos blogues...

    todo ele tem como enredo uma Idade na História que muito aprecio, a Idade Média.
    é com esta base que vivo uma fantasia em todo ele...
    http://temperadois.blogspot.com

    bj...nho

    ResponderExcluir
  25. não é minha postura fazê-lo, dou uma imagem de estar a fazer publicidade ao que escrevo, contudo e visto que estamos a falar de "leitura" e leitura tem como base a escrita, deixo-lhe o convite, se tiver tempo e paciência para tal, para um dos meus antigos blogues...

    todo ele tem como enredo uma Idade na História que muito aprecio, a Idade Média.
    é com esta base que vivo uma fantasia em todo ele...
    http://temperadois.blogspot.com

    bj...nho

    ResponderExcluir
  26. Joicy, parabéns pelo maravilhoso blog e pelo excelente post. Um dia pretendo adentrar profundamente no mundo da literatura e pegar essas tuas dicas. Infelizmente tenho problemas de concentração que desvirtuam um pouco a atenção e atrapalha minha leitura (e até com os filmes também). Mas isso tem trtamento. E são posts como esse e do J. Bruno do Sublime Irrealidade que incentivam a gente ainda mais a desbravar esse dlicioso mundo da leitura. Parabéns mais uma vez. Ah.. e obrigado pela presença lá no B-Cine...volte sempre que puder. Grande abraço.
    Ah.. e obrigado pela presença lá no B-Cine

    ResponderExcluir
  27. BRUNO, olá, amigo! Tudo bem por aí!? Então, esse livro eu não conheço... na verdade, nunca fui de ler livros espiritualistas, nem na épooca em que eu tinha religião. Nada contra... só não senti vontade, por achar que há(sem generalizar, claro), na maioria das vezes, uma lição de moral (não estou dizendo que é o caso do seu livro, pois nem conheço-o). Acho que por isso tenho certa birra com fábulas, com as suas morais da história... rsrs Questão de gosto mesmo... Por isso gosto tanto dos livros infantis do Rubem Alves... ele sempre escreve um adendo aos adultos, para que tenham cuidado ao ler para os pequenos e virem com ares de “viu só? Ele teimou, por isso aconteceu isso!”, pois os livros dele não tem o intuito de dar uma lição de moral nas crianças, mas sim, de ler e tirar suas próprias conclusões. Adoro!! Obrigada por compartilhar conosco de sua história de leitura! Bjão

    MANFIO, sabe que tbem adorei essa postagem! Não esperava que fosse ter um resultado tão bom assim... estou amando ler todos os comentários e ver os blogueiros dividirem conosco momentos tão preciosos do passado!

    Menino, vc tem muita história para contar aos seus filhos e netos, heim!? Sua família passou por muita coisa!!! Esse incentivo eu tbem não tive, da minha família. Eu sei que meu pai gosta muito de ler, mas não convivi tempo o bastante com ele para dizer que esse meu gosto surgiu dele, até mesmo pq isso não vem no sangue, né!? Rsrsrsr ... (meus pais se separaram eu era ainda muito pequena) ... Mas, é interessante como a gente consegue dividir perfeitamente nossa vida, no ante e depois de determinados gostos, né!? Lembro-me que depois de aconteceu o tal contato com a biblioteca, como escrevi na postagem, eu passava horas com livros(que eu tinha pego emprestado de lá). Ontem mesmo, depois de ler os comentários aqui, lembrei de um episódio em que minha mãe quase precisou me bater para que eu largasse um livro (O clássico Poliana menina) para almoçar. Eu estava com o prato de um lado e o livro do outro. Momentos assim, ficarão para sempre! Rsrsrsrsrs

    Gostei muito de saber que vc começou a se interessar por livros, por conta das bandas de Metal. Viu quanta cultura há em nosso gosto musical!? rs... Vc é a segunda pessoa que me fala de "The Hobbit" de Tolkien, fiquei curiosa! Ahhhh, nem me fale em Mangá... aqui em casa tenho dois amantes desse gênero, marido e filho! Dia desses eu estava lendo as HQs Dr. Slump, que uma amiga emprestou para meu esposo.

    Enfim, esse universo é mágico. Rende um bom papo, não é mesmo!? Rsrsrs

    Bjks

    JANE DOS ANJOS, olá lindona! Estava com saudades de vc... seu relato me fez lembrar de uma briga que eu comprarei sempre, como professora. O triste fato de que nem toda escola tem biblioteca. É um absurdo que deve ser reparado! No máximo, o que temos hj em dia, são salas de leitura... por sinal, muito precárias! Essa realidade precisa mudar.
    Continue incentivando seus pequenos a partirem para esse vasto universo da literatura.
    Ahhhhh, espero que vc encontre o filme sueco, Deixe ela entrar... é perfeito! Espero que vc goste tanto quanto eu! Bjsss

    RETRATO, sinta-se a vontade para compartilhar seus links aqui... esse espaço está aberto para essas maravilhas! Com certeza visitarei seu antigo blogue!! Bjinhos

    ResponderExcluir
  28. BRUNO(B-CINE), Que bom recebê-lo aqui... adorei seu blogue! Eu, como cinéfila, estou me esbaldando por lá! Obrigada pela visita!!
    Vou pegar um trecho do seu comentário: “Infelizmente tenho problemas de concentração que desvirtuam um pouco a atenção e atrapalha minha leitura”... Vou confessar uma coisa pra vc... um dos grandes problemas que tive, em minha adolescência, era a dificuldade em me concentrar, nas leituras! Eu era aquele tipo de aluna que “viajava”, literalmente, durante aulas! Sabe, aquele tipo de aluno que a professora está falando aqui, e ele está lá “nas Arábias”, lutando com os quarenta ladrões?? Eu era assim... tadinha de mim! Tão “lerdinha”, tão “sonsinha”, tão “avoada”, ahhh e tímida, tbem!. Rsrsrsrsrsrs... Depois de um tempo, criamos um grupo de teatro, na escola pública em que estudei da sexta a oitava série(isso me ajudou com a timidez e a concentração). Depois que comecei a me encantar por ler, na sétima série, fui conseguindo, aos poucos me concentrar mais. Principalmente quando o livro muito me encantava. Acho que por isso, hj em dia, me preocupo tanto com os alunos que são como eu era. Por incrível que pareça, apesar de eu ter sido aquele tipo de criança, citada anteriormente, sou do tipo de professora super agitada... não paro um minuto. Rsrsrsrsrsrsrs... quem me conhece, hoje, qdo falo como eu era, não acredita! Rsrsrsrs
    Bjão

    ResponderExcluir
  29. Joyce minha história de leitura eu não lembro direito mas lembro que foi com muito incentivo da minha mãe.

    Fiz esse texto inspirado em suas palavras:
    http://rasgueverbo.blogspot.com/2011/12/o-primeiro-livro.html

    ResponderExcluir
  30. Bacana, bacana, Joyce!!!

    Bom, sendo breve em meu comentário... Eu lembro do primeiro livro que li quando era criança, na verdade o nome do livro não me lembro, mas lembro perfeitamente da histórias e dos desenhos... rsrs Logo após um livro que marcou minha infância foi "O meu amigo pintor" já "o pequeno príncipe" é fui ler depois de "velha" e foi apaixonante da primeira a té a última página!!!

    Aderi o hábito de ler desde criança então, graças a minha mãe que sempre está lendo algo... Sou muito grata a isso.

    Hoje confesso que deveria ler mais, porém depois que comecei a fazer letras, leio muito sobre o que estou estudando, desde teóricos a filosofia (que amo) e também alguns livros que estou estudando o momento... Aquele prazer de escolher um livro aleatório e ler ficou um pouco pra trás, por falta de tempo de ler o que quero mesmo... Enfim, muito bacana mesmo o seu texto!!
    Parabéns pela iniciativa e pelo trabalho de educadora!!!

    Beijo!!

    ResponderExcluir
  31. Realmente vc está nas paradas!Parabéns!Qnd crecer quero escrever como vc.
    ...e pensar q vc é minha colega de trabalho!...legal.

    ResponderExcluir
  32. LEO, meu querido vizinho! Estou muito feliz em ver que meu post gerou outras postagens, como a sua, do amigo José Bruno e da Kely. Eu não esperava toda essa repercussão!

    Estou encantada com todos os comentários que surgiram por aaqui! bj


    THAINARA, que bacana sua história... olha, já passei por essa correria, em época de faculdade! Preocupa não, depois piora! rsrsrrs... é sério! Mas, vejo pelo lado bom, estamos sempre estudando. hehehe... com o tempo a gente vai conseguindo lidar com a vida corrida e ainda encaixar as leituras que tanto gostamos. bjãoo


    RAMIZUL AVLIS, Demorei mas decifrei o cóóóóódigo, para descobrir quem está falando, ok!? Ah nem, Luzimar Silva, assim vc me mata de rir! Adorei o desafio!!!! Só vc mesmo, minha companheira de trabalho, carioca porreta, pra me fazer rir tanto assim. Volte sempreeeeeeeeeee!!! bjinhos

    ResponderExcluir
  33. Oi Joicy! Que interessante este post!
    Minha paixão pela leitura foi meio por acaso! Qd eu estava na antiga 6ª série, minha Professora (A Margarida) dava nota mais alta p/ quem lesse mais livros no mês, na época eu não lia nadaaaa! Daí começei a pegar alguns livros na biblioteca da escola e toda semana lia pelo menos um! Quando fui perceber eu ja estava viciada... eu lia 3 livros por semana...kkk e até hoje adoro leitura (jornal/revista/artigos, até bula de remédio e rótulo de shampoo).
    A leitura liberta a alma, abre nossos olhos e nos tornam mais "críticos"... amooooooo!

    Visite meu blog!

    http://batombamor.blogspot.com

    ResponderExcluir
  34. É gostoso lembrar do primeiro contato com a leitura.
    Lembro que o primeiro livro de verdade que li (de verdade, por que era um desses de 300 páginas, por aí, rs). Foi "O Homem que Calculava". Tinha lá meus 12 anos.
    Deve ser daí que descobri gosto pela matemática e hoje faço engenharia. (Viu? Matemática e Literatura podem andar lado a lado! hehe)
    Foi uma senhora muito sábia que me presenteou com esse livro. A partir daí não parei mais.
    Um livro especial para mim é "Eu sou o Mensageiro", do escritor Markus Zusak, o mesmo de "A Menina que Roubava Livros", igualmente maravilhoso.
    Se eu for falar de todos os livros que li e gosto, não termino hoje.
    Mas ler isso, fez eu me lembrar de um "Desafio Literário" que me propuseram no VPC há algum tempo. Segue o link, se quiser participar, fique a vontade!
    http://versosprosasecoloquios.blogspot.com/2011/05/desafio-literario.html

    Tenha uma linda semana! Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ângelus, como lhe falei no facebook, essa foi uma das postagens que eu mais gosteiiii de escrever. Relembrar foi muito bom e os comentários que surgiram por aqui foram maravilhosos.

      Que bacana ler seu relato... ler deveria ser um hábito constante e, infelizmente, no Brasil muito deve ser feito para que isso se torne realidade. Mas, vamos caminhando e tentando modificar essa face, né?

      Obrigada por nos agraciar com sua vivência!

      Bjks

      Excluir
  35. Oi Joicy
    Bati meu record, dois comentários no mesmo dia (kkkkkk). Meus pais, já falei em outro comentário eram muito humildes, então tive que ler os livros da escola, li alguns da Coleção Vaga Lumes, eu lembro do Rapto do Menino Dourado, depois na oitava série eu li 8ª Série C, foi até meu irmão mais velho que comprou, pque meu pai achava que era perda de tempo comprar livro, e olha que era prá nota. Mas foi no colegial que eu peguei trauma por livro, eu fui obrigada a ler "Eram os deuses astronautas, nessa época eu já trabalhava e comprei-o. Noooooosa que livro chato. Eu nunca mais quis saber de livro na minha vida. O tempo passou, eu entrei pro serviço público e não precisava ler, só a Bíblia mesmo e olha lá. Mas meus irmãos (todos mais velhos eu sou a caçula de oito) são leitores vorazes, por conta própria, eu vi que fiquei prá trás. Daí casei com um cara tbém culto, eu tive que correr atrás do prejuízo. Pedi pro meu irmão, isso há uns cinco anos atrás me emprestar um livro que me ajudasse a gostar de ler, como ele é fera, ele lê em média uns três livros por semana. Ele me emprestou um livro bem legal de aventuras, daí eu não parei mais de ler, sempre estou lendo um livro. Vc sabe que eu amo Nicholas Sparks, já li todos dele, já li Comer, rezar, amar; O Monge e o Executivo, A Cabana, mas tbém já li livro do Khaled Hosseini, leio todos os livros a respeito de Bipolaridade, agora mesmo estou lendo Uma mente Inquieta, é o melhor livro sobre o assunto, até o prêmio Nobel de literatura deu uma boa crítica sobre o livro. Quando mostrei o livro pro meu irmão e crítica, ele falou que agora sim eu tô lendo um livro de verdade (kkkk). Eu respondi aquilo que vc me disse, que leitura tem que ser algo feito com prazer antes de tudo, ele teve que concordar comigo. É isso. Bjão. Lú. Souza.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luuuuuu, queridona!!! O melhor disso tudo é que você, mesmo não tendo incentivo, começou a leer e se interessar. Antes tarde do que nunca, né?

      Melhor ainda é perceber que vc tenta ter uma prática diferente com seus pequenos. É imprescindível proporcionar situações de leitura para nossas crianças, ajudando assim criar esse maravilhoso hábito. Ler nos abre um leque magnífico de conhecimentos.

      Obrigada pelo relato. Você enriqueceu bastante esse post.

      Bjks

      Excluir
  36. Olá!Boa noite!
    Hoje vou ser sucinto!
    Não me lembro de como eu tive contato com a literatura!
    Só me lembro do CAMINHO SUAVE!
    Então...câmbio desligo!
    Boa quarta!
    beijos carinhosos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Felisberto... tudo bem? Ahhhh, vc foi sucinto, porém profundo. Caramba, eu como ex-aluna de pedagogia sei que a caminho suave faz parte de uma história da educação que, apesar de parecer ter ficado para trás e ter sido superada, ainda deixou muitos adeptos. Como professora(nunca fiz uso dessa cartilha, mas conheço-a), espero haja mesmo uma reflexão sobre essa tal cartilha, apesar de saber que há colegas que ainda usam essas metodologias. Enfim, tenho meu posicionamento sobre essa cartilha e garanto que é nadinha positivo! rsrsrsrsrsrs

      Como sempre vc só tem a acrescentar! ;)

      Bjks

      Excluir
  37. Olá!Boa tarde!
    Sim! Penso que sei o porque muitos Educadores não utilizam O CAMINHO SUAVE. Com posicionamento, realmente, nada positivo!
    Vigotski já nos disse que “ensinam-se as crianças a desenhar letras e construir palavras com elas, mas não se ensina a linguagem escrita. Enfatiza-se de tal forma a mecânica de ler o que está escrito que se acaba obscurecendo a linguagem escrita como tal”.
    Acho q esta afirmação...é o que penso HOJE ,desta cartilha!
    Obrigado pela visita e comentário carinhoso em meu blog!
    Vamos que vamos!
    Boa quarta!
    beijos carinhosos!

    ResponderExcluir
  38. Nossa Joicy, amei seu relato. E me vi um pouco nele, o gosto pela leitura que foi se despertando aos poucos, esquecido em algumas fases, presente em outras. Lembro-me que eu fazia natação no SESC e a passagem na biblioteca era obrigatória, toda semana eu pegava um livro. Lembrei me de um livro que li quando fazia 5ªsérie "O diário de Biloca", contava a história de uma menina que tinha uma amiga imaginária chamada Juliana. Desde então me interessei em ler livros que contavam a história através de diários, li alguns, me lembro de "O diário de Lúcia Helena" que era a continuação de um que amei e li duas vezes "A hora do amor". Na faculdade me interessei por livros de Contos de fada, depois de ler "A psicanálise dos contos de fada".

    Hoje em dia não sou uma leitora assídua, mas leio o que vier, acabei de ler Metamorfose, do Kafka, mó viagem... mas curti!!!

    ResponderExcluir
  39. Caramba eu nunca parei pra pensar qual foi o livro que li e que realmente me fez gostar de ler. Acho que isso só aconteceu mesmo nos ultimos anos do ensino médio (finado ensino médio).
    Na 4ª série, se não me engano a professora passou um segundo livro pra ler e ele seria tema duma prova no estilo ou acerta ou é reprovado, o nome era 'as cores de laurinha'. O livro anterior foi o vilão pois não consegui comprá-lo na época e tinha pouco tempo pra ler, em resumo meus pais foram até a escola pedir uns dias a mais pra eu ler o livro correndo e fiquei muito sem vontade de ler, por isso tentei fazer tudo certo com 'as cores de laurinha' e o li, mas ainda sentia que ler livros não era legal.
    Já jovem, comprei em um bazar um livro bonito, quando Harry Potter estava no apogeu dos cinemas e livros e ele se chama 'A profecia das pedras - Flávia Bujor' e mesmo não sendo de um autor do Brasil, é um livro publicado para promover novos escritores e etc etc. NO livro, consta que ela escreveu a história mais ou menos aos 15 ou 18 anos de idade, imagina que gratificante ver sua obra ir parar em outro pais? Pois é, eu fique feliz por ela rsrsrs. Assim eu comecei a visitar mais a biblioteca da cidade, aluguei vários livros e até chegar computador na biblioteca. Era um só, mas aí fiz meu blog e comecei a ler outros tipos e estilos de livros, até ir diminuindo a intensidade das leituras rsrsrs, mas o amor ainda continua e de tempos em tempos resgato esse amor.

    ResponderExcluir

Olá! Faça seu comentário!

Mas, NÃO DEIXE DE LER A POSTAGEM! ;)

Sinta-se a vontade!!! Sacomé, né!? Se você leu e chegou até aqui, não custa nada comentar... :)